DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

segunda-feira, 18 de abril de 2011

O FUNDO NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA e a FALSA "sensação" de SEGURANÇA nos pseudo "condominios" de LUXO

SEGURANÇA PUBLICA É MISSÂO CONSTITUCIONAL E ATIVIDADE PRIVATIVA DE ESTADO !  Os FALSOS condominios COBRAM quantias EXORBITANTES, USURPAM PATRIMONIO PUBLICO,  a pretexto de "prestar serviços de segurança", mas , na hora H , não sabem , não viram, não se responsabilizam por nada !  
ESTE DINHEIRO TODO DEVERIA SER DOADO PARA O FUNDO NACIONAL DE SEGURANÇA PUBLICA -  LEI No 10.201, DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001.na forma do artigo 2o. inciso II - confiram :  

Art. 1o Fica instituído, no âmbito do Ministério da Justiça, o Fundo Nacional de Segurança Pública – FNSP, com o objetivo de apoiar projetos na área de segurança pública e de prevenção à violência, enquadrados nas diretrizes do plano de segurança pública do Governo Federal.(Redação dada pela Lei nº 10.746, de 10.10.2003) 
Art. 2o  Constituem recursos do FNSP:
I - os consignados na Lei Orçamentária Anual e nos seus créditos adicionais;
II - as doações, auxílios e subvenções de entidades públicas ou privadas;
CONFIRAM : 
Condomínios de luxo no alvo de assaltos

fonte : TRIBUNA DA BAHIA 
Cidade 

Publicada: 20/03/2011 23:21| Atualizada: 20/03/2011 22:06
Daniela Pereira


Casas bem estruturadas com piso em porcelanato e vista para o mar. Além desses requisitos, os condomínios de luxo apresentam vigias, seguranças eletrônicas e monitoramento de câmeras na entrada e saída. Mas, apesar de tudo isso, os assaltos a condomínios vêm se tornando frequentes em Salvador. Invasão de residência, famílias feitas reféns e sequestros relâmpagos na portaria são algumas das ocorrências mais corriqueiras e os moradores são as principais vítimas das falhas na segurança interna e externa. 
“É incrível como eles exigem tantos documentos para a gente entrar, mas na hora que o bandido vem, ninguém nunca vê”. Essa foi a declaração de um entregador de pizza, que tentava cumprir sua tarefa num condomínio de luxo da cidade. A opinião dele é a mesma de alguns moradores e é confirmada por situações ocorridas no Parque Costa Verde, situado em Piatã, e no Condomínio Parque do Encontro das Águas, em Lauro de Freitas, onde uma família inteira ficou na mira de bandidos armados e nenhum segurança tomou conhecimento do que havia ocorrido.

Um conceituado empresário baiano e a família chegaram ao condomínio, cercado de seguranças particulares e eletrônicos, para passar alguns dias. Por volta das 16h30, a filha mais nova, uma advogada de 24 anos, saiu para participar de uma festa de aniversário na Orla de Salvador. Ao retornar para casa, foi abordada pelos assaltantes, que estavam a bordo de um veículo Pálio, de placa não identificada. Sob ameaças de morte e estupro, o grupo obrigou a jovem a abrir o portão eletrônico de casa e entrar.
Segundo depoimentos das próprias vítimas à 23ª Delegacia, os seguranças do local não notaram que a advogada estava na mira de revólveres e não acionaram a polícia. Já dentro do imóvel, os pais da jovem foram surpreendidos pela voz de assalto e também ficaram reféns de dois dos bandidos, pois os demais aguardaram dentro do carro. Além de objetos pessoais como joias, celulares, roupas e calçados, também foram levados, dinheiro, aparelhos eletroeletrônicos, computadores e o veículo da família.

O empresário, a mulher e a filha foram levados como reféns e liberados, por volta das 20 horas, na localidade do Caji, conhecido como um local de alto índice de tráfico de drogas. O caso está sob investigação das delegacias de Lauro de Freitas, Portão e Rio Vermelho. A polícia ainda não tem pistas dos assaltantes e nenhum suspeito foi preso. As identidades das vítimas foram preservadas por questão de segurança.
Apesar do registro na delegacia, o encarregado geral do condomínio Encontro das Águas, Martins Amorim, afirmou desconhecer o fato e disse que o controle de portaria é um serviço muito complicado. “Diariamente, passam de 100 a 400 pessoas por este portão. Não tenho conhecimento deste fato, mas sei que isso pode acontecer em qualquer condomínio. Muitas vezes o bandido abraça as vítimas ou até mesmo as obrigam a abraçá-lo, como saberemos se realmente é assalto?”, indagou.

Monitoramento

O Encontro das Águas, um dos mais luxuosos da Região Metropolitana de Salvador, conta com serviços de seguranças particulares, monitoramento de câmeras e viaturas de segurança particular que fazem ronda dentro do condomínio. “O bem-estar dos moradores é a prioridade”, garantiu Martins.
Já no Condomínio Costa Verde, equipado com todo monitoramento eletrônico e seguranças particulares espalhados entre os 122 metros quadrados, há 22 homens trabalhando como vigias, divididos em turnos de 12 horas.
De acordo com o administrador do Condomínio Costa Verde, Paulo Sérgio Anastácio, crimes provenientes de abordagem na portaria do local são frequentes em qualquer bairro, mas o último caso de invasão a residência ocorreu há quatro anos.
“Esta invasão ocorreu num período em que nossa área perimetral não estava cercada. Dois bandidos escalaram o muro dos fundos do condomínio, invadiram uma residência, renderam os moradores e levaram todos os objetos de valor. Depois desta situação, toda a área foi cercada e nunca mais tivemos estas ocorrências.
 Já no caso de assaltos na portaria, isso ocorre, na maioria das vezes, por uma extensão do crime de saidinha bancária. O morador faz o saque de uma quantia e é seguido pelos assaltantes até a porta de casa, onde o assalto é consumado”, explicou o administrador. 
CUIDADOS – Segundo informações da polícia, para evitar estes tipos de crimes é necessário que os moradores de condomínios luxuosos não esqueçam que, apesar de todo aparato de segurança, eles também podem ser vítimas da violência urbana. É preciso ter cuidado ao parar na portaria para acessar a entrada ou saída da residência, pois podem estar sendo observados e seguidos por algum marginal. Além do mais, portas e janelas devem apresentar travas de segurança como em qualquer residência comum.
Já para evitar a famosa saidinha bancária, como já explicou o delegado Carlos Habib, titular da 16ª CP, com as facilidades de internet fica desnecessário sair do banco carregando quantias exorbitantes em espécie. “A população precisar ajudar a polícia e tomar maiores cuidados ao utilizar e sair das agências”, concluiu o delegado.
Publicada: 20/03/2011 23:21| Atualizada: 20/03/2011 22:06 

Nenhum comentário: