DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

sábado, 25 de junho de 2011

Corregedoria do CNJ anula sentenças de juiz de Búzios envolvendo fraudes em registro de imoveis Rio de Janeiro

QUINTA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2011

Corregedoria do CNJ anula sentenças de juiz de Búzios

Publicada em 22/06/2011 às 23h48m
Ronaldo Braga (ronaldo@oglobo.com.br)
RIO - Depois de quase um ano investigando uma série de processos, a Corregedoria Nacional de Justiça, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), determinou o bloqueio de vários registros de imóveis do Estado do Rio, principalmente na Região dos Lagos, considerados irregulares e que tinham sido autorizados pelo juiz João Carlos de Sousa Correia, titular da 1ª Vara de Búzios. O relatório final sobre as investigações, elaborado pelo juiz auxiliar da corregedoria, Ricardo Chimenti, já está pronto e será divulgado em sessão plenária do CNJ, em Brasília, em agosto, quando então se tornará público.
Segundo o Tribunal de Justiça do Rio, no relatório constará a conclusão a que a corregedoria chegou a respeito de 17 processos analisados. O documento dirá, por exemplo, se há irregularidade ou não, quem foi lesado e se cabe indenização. Ainda de acordo com o TJ, o juiz João Carlos ainda pode recorrer da decisão da corregedoria.
Decisões polêmicas chamaram a atenção
As investigações foram feitas sob sigilo. Elas começaram a ser realizadas depois de uma série de decisões polêmicas tomadas em processos sobre disputas fundiárias em Búzios. Na mira da corregedoria do CNJ estava o juiz João Carlos. Magistrados do órgão estiveram na cidade, acompanhados de outros dois da Corregedoria do TJ do Rio. Lá, recolheram peças de 17 processos para análise.
Funcionários da 1ª Vara de Búzios informaram que o juiz João Carlos não falaria com a imprensa sobre o caso.
O magistrado já foi alvo também de duas denúncias - feitas por pessoas que se sentiram prejudicadas por suas decisões - por conduta indevida. Num dos casos, por supostamente favorecer um advogado que alega ser o dono de uma área de mais de cinco milhões de metros quadrados em Tucuns, uma das regiões mais nobres de Búzios. Além disso, há uma exceção de suspeição (alegação de parcialidade do juiz) num outro processo e que foi acolhida pela 1ª Câmara Cível do TJ. O órgão reconheceu o interesse do magistrado numa decisão proferida a favor de um empreendimento imobiliário em área de proteção ambiental, também em Tucuns.
O juiz João Carlos já foi acusado de envolvimento em outras confusões. Em fevereiro deste ano, a Corregedoria do TJ investigou, sigilosamente, uma denúncia de que o magistrado teria desacatado em Búzios dois turistas, que estavam hospedados no Hotel Atlântico . O casal, um francês e uma alemã, reclamou do barulho de uma festa promovida pelo juiz, até de madrugada, num dos quartos do hotel.
Já em fevereiro do ano passado, ao ser parado numa blitz na Lagoa, o juiz deu voz de prisão a uma agente da Operação Lei Seca . O magistrado dirigia um Land Rover sem placa, com prazo de emplacamento vencido, e estava sem a carteira de habilitação - que alegou ter esquecido na bolsa da mulher. O carro foi rebocado e o juiz, multado por dirigir sem carteira.
Outro problema ocorreu em julho de 2009, quando o magistrado teria discutido com um policial rodoviário federal, em Rio Bonito . João Carlos foi abordado por estar com um giroflex (luz giratória) azul no teto do carros. A legislação de trânsito proíbe o dispositivo. Acusado pelo juiz de desacato e exposição a perigo, o agente respondeu a uma sindicância, que foi arquivada.

Ver:: "oglobo" 

Comentários:

 

 

Flor disse...
O que falar?!? Todo mundo já está farto desta história. Não fosse o amargo gosto do tempo e dinheiro perdidos, mais de dez anos, haveria o sabor da batalha vencida. Refiro-me especificamente ao caso de Tucuns. Pegunto aos puxa-sacos sobre a frase "transitou em julgado". Gente! Mentira não transita em julgado! Que aprendam com leigos e persistentes defensores da verdade que não é necessário ser muito esperto para reconhecer sacanagem. E aos que falaram ...justiça é assim no Brasil..., acho bom refazerem seus conceitos. E para os que disseram que estudaram os processos (em um dia), perderam a chance de ter aprendido alguma coisa. Congratulações aos "companheiros" que insistiram com o CNJ. Que não desistiram ao primeiro não. Obrigada pessoal!

2 comentários:

advthais34038 disse...

ESPERO QUE O CNJ TAMBEM FAÇA O MESMO COM AS SENTENÇAS FALSAS E FABRICADAS EM ANTONINA PARANÁ QUE JÁ FORAM RELATADAS EM DEZEMBRO DE 2010 E FEVEREIRO DE 2011.

DEFENDA SEUS DIREITOS AQUI disse...

se quiser denunciar o caso , ou se precisar de ajuda para ver o processo no cnj entre em contato atraves do email vitimas.falsos.condominios@gmail.com
nos temos que tornar PUBLICAS as falcatruas dos juizes corruptos, ainda mais agora que querem virar "magestade" ao inves de magistrado, como disse o Min. Gilson Dipp , e ainda tem o novo cpc e a pec dos recursos para submeter o povo a TIRANIA TOTAL DA TOGA