DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

terça-feira, 18 de junho de 2013

PEDRO SIMON : Uma tarefa para a compreensão democrática

Mensagem recebida via Facebook 
De Senador Pedro Simon

Uma tarefa para a compreensão democrática
ARTIGO publicado no JORNAL DO BRASIL em 18/06/2013

Uma tarefa para a compreensão democrática

Senador Pedro Simon*

Um sentimento de revolta juvenil percorre o país. 
 Manifestações que se iniciam com uma reivindicação objetiva de redução das tarifas de ônibus, transformam-se em mobilizações que arrastam milhares de jovens sob as mais diversas bandeiras. 
Mensagens que pedem educação e saúde de qualidade e bradam contra a corrupção e a impunidade, além de protestos contra o gasto excessivo na construção de estádios de futebol também animam uma juventude que muitos vinham considerando amorfa e sem interesse por questões da coletividade.
Até aqui, acompanhamos as ocupações de praças e prédios públicos na Europa e nos Estados Unidos, atos públicos de protesto em toda a parte, movimentos compostos em expressiva maioria por jovens desempregados, revelaram a face mais cruel da crise econômica mundial. Crise essa que jogou na incerteza uma geração acostumada ao bem-estar, amparada por políticas sociais inclusivas conquistadas um século atrás por lutas sociais mais duras do que as de hoje.
No Brasil do pleno emprego e da distribuição de renda, a juventude também experimenta a inquietação.

O que querem nossos jovens? Estudiosos se apressam em analisar as camadas mais profundas dessa inconformidade e da motivação em participar de atos de protesto que atemorizam as autoridades e provocam reação completamente desmedida da polícia. 
A revolta é praticamente espontânea, convocada pelas redes sociais na internet. Os líderes são desconhecidos e estão fora da iniciativa os sindicatos e entidades estudantis tradicionais, setores que organizam historicamente as manifestações e atos reivindicatórios. 
Essa situação nova, que intriga e inquieta a sociedade é marcada por um sentimento de frustração política e existencial.
Os jovens não confiam em seus representantes institucionais. 
É grande a distância entre o desejo das ruas e os debates conservadores no Parlamento, o que é decidido pelos governos ou o que é julgado nos tribunais. Apelos ao bom senso e justificativas para o alto preço do transporte coletivo não sensibilizam os manifestantes.
Existe um risco implícito na repressão violenta e indiscriminada e na condenação liminar dos protestos. 
Deles, podem surgir soluções para problemas antigos ou um caldo de cultura propício a aventuras radicais. 
A humanidade já viveu extremos indesejáveis, tempos que não quer repetir. 
Canalizar essa energia e entender os motivos mais profundos da rebeldia juvenil é tarefa para a inteligência e para a compreensão democrática. 
Não é assunto para a polícia.

*Pedro Simon é senador pelo PMDB-RS

Nenhum comentário: