DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

A QUEM INTERESSA SUCATEAR A POLICIA FEDERAL E OS ORGÃOS DE SEGURANÇA PUBLICA ? DF e mais 9 Estados são alvo de operação da PF contra lavagem de dinheiro e má gestão dinheiro publico

DIGA NÃO À CORRUPÇÃO !

"A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública." Ulisses Guimarães saiba mais 

A QUEM INTERESSA SUCATEAR A SEGURANÇA PUBLICA ?

FALSOS CONDOMINIOS EXTORQUEM CASA PROPRIA E DINHEIRO DOS CIDADÃOS 
A PRETEXTO DE SUBSTITUIR O ESTADO PARA 
"VENDER" SERVIÇOS ILEGAIS DE SEGURANÇA EM RUAS PUBLICAS 

FAIXA FIXADA NA SEDE DA POLICIA FEDERAL EM BRASILIA ALERTA :
A QUEM INTERESSA SUCATEAR A POLICIA FEDERAL ?



DF e mais 9 Estados são alvo de operação da PF

fonte : Yahoo Noticias
extraido de Estadão Conteúdo
Por Erich Decat | Estadão Conteúdo – 2 horas 32 minutos atrás

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta quinta-feira, 19, uma ação em nove Estados e mais o Distrito Federal com o objetivo de desarticular duas organizações criminosas com atuações distintas: uma de lavagem de dinheiro e outra de má gestão de recursos de entidades previdenciárias públicas. A operação, intitulada de Miqueias, envolve mais de 300 policiais que cumprem 102 mandados judiciais, sendo cinco de prisão preventiva, 22 de prisão temporária e 75 de busca e apreensão no Distrito Federal e nos Estados de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais, do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, de Goiás, do Maranhão, Amazonas e de Rondônia.
De acordo com a PF, a investigação teve início há um ano e meio para apurar lavagem de dinheiro por meio da utilização de contas bancárias de empresas de fachada ou fantasmas, abertas em nome de "laranjas" para ocultar os responsáveis pelas movimentações. A partir daí, foi verificada a existência de uma holding de empresas que consistia em um verdadeiro serviço de terceirização para lavagem de dinheiro proveniente de diversos crimes.
Em 18 meses de investigação, segundo a PF, foram sacados mais de R$ 300 milhões nas contas dessas empresas. Entre os diversos grupos criminosos da organização, a PF individualizou três núcleos distintos que contavam, inclusive, com a participação de policiais civis do Distrito Federal.
O trabalho de investigação dos agentes constatou ainda que os líderes da organização criminosa aliciavam prefeitos e gestores de regimes próprios de previdência social para que eles aplicassem recursos das respectivas entidades previdenciárias em fundos de investimentos em papeis pouco atrativos, geridos pela própria quadrilha e com alta probabilidade de insucesso. Esses prefeitos e gestores eram remunerados com um porcentual sobre o valor aplicado. Segundo nota divulgada pela PF, esses fundos eram formados por papeis podres. "Severos prejuízos foram verificados no patrimônio desses Regimes Próprios de Previdência Social", diz a nota.
Foram verificadas irregularidades especificamente nos regimes próprios de previdência social das prefeituras de: Manaus (AM), Ponta Porã (MS), Murtinho (MS), Queimados (RJ), Formosa (GO), Caldas Novas (GO), Cristalina (GO), Águas Lindas (GO), Itaberaí (GO), Pires do Rio (GO), Montividiu (GO), Jaru (RO), Barreirinhas (MA), Bom Jesus da Selva (MA) e Santa Luzia (MA). A Operação Miquéias contou com apoio do Ministério da Previdência Social e da Comissão de Valores Mobiliários.

Nenhum comentário: