DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

domingo, 13 de fevereiro de 2011

DIRETOR DO CENTRO BRASILEIRO DE INFRAESTRUTURA ADVERTE : ESTA NA HORA DE POR O PE NO CHÂO EM RELAÇÂO AS FONTES DE ENERGIA

Você está em Economia
Início do conteúdo

Tá na hora de pôr o pé no chão



09 de fevereiro de 2011 | 0h 00

Adriano Pires e Abel Holtz - O Estado de S.Paulo
Nos últimos dias vimos nos jornais uma deliberada colocação quanto à anteposição entre duas das melhores fontes de energia do nosso país - nuclear e hidrelétrica - entre tantas outras, como eólica, biomassa, solar, maremotriz, térmicas a gás natural e a carvão, etc. O que causa estranheza são as projeções das taxas de crescimento do PIB para os próximos anos serem superiores a 5% ao ano, definindo a necessidade de incrementar a oferta de energia em uma taxa de 6,5%. Isso significa a necessidade de ampliar o parque gerador de uns 5 mil MW médios a cada ano. Haja fonte para atender a essa realidade.
Ao considerar a dimensão do nosso território e o desenvolvimento que se espraia por todas as regiões, vamos ver que a competência que se espera das autoridades do setor elétrico para atender os consumidores é muito grande, e há um desafio maior e custos menores, incluindo a diminuição da carga tributária e o aproveitamento total das fontes existentes. O maniqueísmo espelhado na provocação aludida não considera que, apesar da existência de um potencial insofismável de hidrelétricas - quase todo na Amazônia - e pela postura atual, estamos nos rendendo a limitações estapafúrdias em muitas das vezes, e construindo usinas sem reservatórios ou com ínfimos, de altos investimentos e baixa produção de energia assegurada - vide Belo Monte. No lado da energia nuclear, estamos concluindo uma usina a cada 15 anos e temos a 6.ª reserva mundial de urânio - tendo prospectado pouco mais de um quarto do nosso território - e somos um dos três países do mundo a dominar o ciclo do combustível.
Quanto às térmicas, damo-nos ao luxo de desperdiçar milhões de metros cúbicos por dia de gás natural na sua queima fora das termoelétricas, porque os indicadores espelhados no planejamento do setor as excluíram e nenhum empresário se interessará em investir em algo demonizado. Ao mesmo tempo, as reservas do combustível ampliam-se a cada dia e não sabemos o que fazer com elas. As térmicas a carvão são objeto de avançadas pesquisas, capitaneadas por EUA e China, para torná-las cada vez menos emissoras de CO2, enquadrando-as nos limites dos acordos climáticos. Enquanto isso, esses países, ao lado de Alemanha, Rússia, Itália e nossos vizinhos, Argentina, Peru, Venezuela, Bolívia e Chile, entre outros, continuam com sistemas de produção de energia elétrica majoritariamente térmicos. E não blasfemam sobre essa realidade.
Quando olhamos para a energia eólica, engatinhamos e temos o potencial de multiplicar por sete a atual produção dessa energia que, por sua regionalização, prescinde de extensas linhas de transmissão. Os parques eólicos offshore ainda não foram considerados e nossa costa tem mais de 8,5 km, o que poderá incrementar a disponibilidade dessa fonte por todos os Estados litorâneos, além de abastecer as instalações de exploração do pré-sal, se instalados em condições apropriadas no seu entorno.
A biomassa já contribui regional e sazonalmente com mais de 4 mil MW médios. Mas essa fonte não se restringiria, caso quiséssemos a queima do bagaço de cana. A experiência com capim-elefante está celeremente sendo desenvolvida e a sazonalidade, hoje detectada pelo uso dos rejeitos da cana-de-açúcar, deverá ser extirpada e, com isso, poderemos gerar com biomassa durante o ano todo. Quanto à energia solar, quer fotovoltaica, quer termossolar, está se tornando cada vez mais competitiva e tem que compor a matriz energética de qualquer país que necessite de eletricidade.
O que queremos deixar claro é que não podemos abandonar qualquer das fontes existentes. Cabe ao governo definir diretrizes que considerem a realidade e criar condições para que todas as fontes sejam viáveis, e que a energia gerada tenha preços compatíveis com a realidade dos consumidores. Para isso é preciso que o governo deixe de encarar o setor de energia como um coletor de impostos, mas, sim, como um insumo essencial para o crescimento econômico do País e o conforto da sociedade.
RESPECTIVAMENTE: DIRETOR DO CENTRO BRASILEIRO DE INFRAESTRUTURA (CBIE); ENGENHEIRO, CONSULTOR NA ÁREA DE ENERGIA E NEGÓCIOS DA ABEL HOLTZ & ASSOCIADOS 
Fonte : ESTADAO Tópicos: EconomiaVersão impressa

VEJA TAMBEM :

CAMINHADA DOS BIOLOGOS HOJE NA LAGOA RODRIGO DE FREITAS CONTRA BELO MONTE

DEFENDA SEUS DIREITOS: MANIFESTAÇÂO DOS BIOLOGOS CONTRA BELO MONTE - HOJE NA LAGOA RODRIGO DE FREITAS - as 17 horas - RJ



ECOLOGIA - QUESTÂO DE ÉTICA E DE MORAL :

DEFENDA SEUS DIREITOS: QUESTÃO ECOLOGICA, QUESTÃO MORAL - DOM ODILO P. SCHERER- CARDEAL-ARCEBISPO DE SÃO PAULO


Nenhum comentário: