DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

quinta-feira, 12 de junho de 2014

COPA DO MUNDO 2014 : ESTAMOS JOGANDO POR JUSTIÇA E PELA PAZ : A PATRIA SOMOS NÓS !


APELAMOS AOS BRASILEIROS 
OUÇAM O CLAMOR DAS VITIMAS DOS FALSOS CONDOMINIOS 
ESTÃO TIRANDO NOSSA LIBERDADE
NOSSA CASA PRÓPRIA , NOSSO DINHEIRO
E NOSSA DIGNIDADE DE PESSOAS HUMANAS 
Jamais desistir, nunca retroceder, buscar sempre, acreditar no melhor e jamais sentir-se sozinhos. A Pátria somos nós, a bandeira é o que nos une, no verde da esperança que não morre, no amarelo do ouro que brilha com o pão e a casa para todos, no azul do céu de brigadeiro que nos mostra o destino onde queremos e podemos chegar, nas estrelas formando a cruz no firmamento, indicando que ela é que dá sentido no caminho da vida. O Brasil com chuteira ou não, o gol da vitória depende de cada um de nós....
O POVO BRASILEIRO UNIDO 
PRECISA MARCAR O GOL DA VITORIA 
DA JUSTIÇA E DA PAZ  
Vamos torcer pela nossa seleção e vamos rezar para que também possamos vencer as nossas copas cotidianas desse país que precisa passar por uma grande transformação ética. E isso passa por mim, por você. Não se trata de cobrar e criticar apenas os políticos. A busca pela vitória ética passa, inclusive, pelos setores privados, pelas famílias, por você. Que Deus nos abençoe.  UM BRASIL DE FÉ E DE CHUTEIRAS Dom Anuar Battisti - Arcebispo de Maringá (PR)
Jogando por justiça e paz

Dom Sérgio da Rocha

A Copa do Mundo de Futebol tem suscitado diferentes reações manifestadas não apenas individualmente, mas de modo coletivo, de forma espontânea ou planejada, nas ruas, nas redes sociais e nos diversos ambientes da sociedade. 

É inegável o seu significado para o povo brasileiro e o seu impacto na vida social, em nosso país. 

As posturas opostas de defesa da Copa e de crítica severa à sua realização sinalizam a sua ambivalência e a necessidade de discernimento atento de seus valores e problemas, de suas potencialidades e efeitos perversos. 

É preciso distinguir serenamente o valor do esporte e particularmente do futebol, o evento Copa do mundo nos padrões da FIFA e, por fim, a sua realização no Brasil de hoje. Refletir sobre o significado destes diferentes níveis é tarefa muito exigente.

 A Copa tem mexido com o Brasil de modo inusitado, suscitando a crítica acirrada que vem das ruas e de movimentos sociais. 

O país do futebol revelou ao mundo que é preciso repensar as regras do jogo, não mais circunscritas às partidas e dependentes dos juízes em campo. 

As regras que regem as renas políticas. As regras adotadas pela FIFA para programar a Copa. 

É preciso “jogar” diferente fora do campo de futebol, recusando jogadas violentas ou desonestas, para marcar os gols tão esperados: a justiça, a paz, a dignidade humana, os direitos à saúde, à educação, ao transporte, etc. 

Tal “jogo” necessita não apenas de espectadores, mas principalmente de jogadores e torcedores pela vida, pela justiça e paz. 

Esta é condição para que a alegria dos estádios possa ecoar pelas ruas.

O grito das torcidas nos estádios tem sido precedido pelo grito de setores da população nas ruas. A escuta, a reflexão e o diálogo atento às urgências do povo brasileiro devem continuar e se intensificar após a Copa. 
Seria ingenuidade pensar que a Copa resolveria os velhos e graves problemas do Brasil; porém, seria grave erro ignorar as justas reivindicações e perder a ocasião para levar a sério os problemas sociais colocados em pauta. 
Conforme afirma o Papa Francisco “as reivindicações sociais, que tem a ver com a distribuição da riqueza, com a inclusão social dos pobres e com os direitos humanos, não podem ser sufocadas a pretexto de construir um consenso de gabinete ou uma paz efêmera para uma minoria feliz”. (Exortação Evangelii Gaudium, 218). 
Entretanto, as contradições da Copa ou a negação de direitos sociais fundamentais não justificam o recurso à violência, dentro ou fora dos estádios. A Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília tem levado às autoridades, em particular àquelas incumbidas das ações de segurança pública, as suas preocupações sobre essa questão, abrindo espaços de diálogo e de reflexão em suas conversas sobre justiça e paz. A “rua” é espaço legítimo para a reivindicação social, mas sem o recurso à violência. O exercício da segurança pública deve circunscrever-se aos padrões democráticos.
A contribuição da sociedade civil organizada é fundamental para a construção da justiça e da paz, neste período da Copa e depois dela. A Igreja, através da CNBB, tem oferecido a sua colaboração através de diretrizes pastorais que podem ser assim resumidas: “1) acompanhar torcedores e jogadores nas suas demandas por momentos de espiritualidade e encontro com Deus, bem como ser presença orante durante toda a Copa; 2) acompanhar as populações vulneráveis, especialmente aquelas em situação de rua, para que não sejam retiradas dos logradouros públicos durante a Copa e depois devolvidos às ruas, como objetos que atrapalham a realização do evento; 3) participar dos esforços por conscientização dos que nos visitam, para que não pratiquem o turismo sexual mas sejam presença que valorize a dignidade humana e a confraternização universal”. 
Em sua mensagem sobre a Copa, a CNBB assim se manifestou: “O sucesso da Copa do Mundo não se medirá pelos valores que injetará na economia local ou pelos lucros que proporcionará aos seus patrocinadores. Seu êxito estará na garantia de segurança para todos sem o uso da violência, no respeito ao direito às pacíficas manifestações de rua, na criação de mecanismos que impeçam o trabalho escravo, o tráfico humano e a exploração sexual, sobretudo, de pessoas socialmente vulneráveis e combatam eficazmente o racismo e a violência”. Este é o legado da Copa que tanto esperamos!
É justo alegrar-se com a maioria dos brasileiros, em torno da grande expectativa que a Copa do Mundo de Futebol desperta. É muito bom acolher fraternalmente e alegremente aos que nos visitam. Ao mesmo tempo e com especial atenção, é necessário continuar a construir a justiça social para se obter uma paz verdadeira e duradoura. Nesta tarefa imensa que ultrapassa o tempo regulamentar dos jogos e da Copa, a fé cristã e a ética podem desempenhar papel fundamental. Jogar pela paz, jogar pela vida, é imperativo ético que a todos interpela. As manifestações de religiosidade dos jogadores durante as partidas, apesar de suas limitações ou ambivalências, nos recordam que a fé em Deus é fundamental, nos campos de futebol ou nos gramados da vida.
Artigo publicado no jornal Correio Braziliense

Nenhum comentário: