DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

sexta-feira, 26 de julho de 2013

PAI FRANCISCO : CHUVAS DE BENÇÃOS CAEM SOBRE NÓS ! O BRASIL É DE JESUS !

O dia de hoje ( 25.07.2013 ) vai ficar marcado na história do Brasil e do Mundo !
Acompanhar o PAPA FRANCISCO em sua missão no dia de hoje foi um privilégio e uma aula de cristianismo e de cidadania!
Debaixo de chuva , o PAPA foi o PAI amoroso e bom de todos nós !
Em cada parada um banho de AMOR fraternal
Em cada coração, uma benção
Em cada sorriso, a felicidade
Debaixo de chuva torrencial, e muito frio, os cristãos, de todas as idades, permaneceram firmes na fé
Que lindo espetáculo,
Que maravilhoso testemunho vivo de fé e de cristandade
Realizando a profecia de Isaías ( Isaias 52-53 )

ISAIAS 52  - LIBERTAÇÃO DE JERUSALÉM


1Desperta, desperta, veste-te da tua fortaleza, ó Sião; veste-te das tuas roupas formosas, ó Jerusalém, cidade santa, porque nunca mais entrará em ti nem incircunciso nem imundo.
2Sacode-te do pó, levanta-te, e assenta-te, ó Jerusalém: solta-te das cadeias de teu pescoço, ó cativa filha de Sião.
3Porque assim diz o Senhor: Por nada fostes vendidos; também sem dinheiro sereis resgatados.
4Porque assim diz o Senhor DEUS: O meu povo em tempos passados desceu ao Egito, para peregrinar lá, e a Assíria sem razão o oprimiu.
5E agora, que tenho eu que fazer aqui, diz o Senhor, pois o meu povo foi tomado sem nenhuma razão? Os que dominam sobre ele dão uivos, diz o Senhor; e o meu nome é blasfemado incessantemente o dia todo.
6Portanto o meu povo saberá o meu nome; pois, naquele dia, saberá que sou eu mesmo o que falo: Eis-me aqui.
7Quão formosos são, sobre os montes, os pés do que anuncia as boas novas, que faz ouvir a paz, do que anuncia o bem, que faz ouvir a salvação, do que diz a Sião: O teu Deus reina!
8Eis a voz dos teus atalaias! Eles alçam a voz, juntamente exultam; porque olho a olho verão, quando o Senhor fizer Sião voltar.
9Clamai cantando, exultai juntamente, desertos de Jerusalém; porque o Senhor consolou o seu povo, remiu a Jerusalém.
10O Senhor desnudou o seu santo braço perante os olhos de todas as nações; e todos os confins da terra verão a salvação do nosso Deus.
11Retirai-vos, retirai-vos, saí daí, não toqueis coisa imunda; saí do meio dela, purificai-vos, os que levais os vasos do Senhor.
12Porque vós não saireis apressadamente, nem ireis fugindo; porque o Senhor irá diante de vós, e o Deus de Israel será a vossa retaguarda.
13Eis que o meu servo procederá com prudência; será exaltado, e elevado, e mui sublime.
14Como pasmaram muitos à vista dele, pois o seu parecer estava tão desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua figura mais do que a dos outros filhos dos homens.
15Assim borrifará muitas nações, e os reis fecharão as suas bocas por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que eles não ouviram entenderão.



PAI FRANCISCO - seja bem-vindo !


DEBAIXO DE CHUVA O POVO ACLAMAVA O PAI FRANCISCO !

Leia a íntegra do discurso de saudação da comunidade de varginha ao Papa em Manguinhos



Autoria:  em 25 julho, as 12:45 Em Brasil

25/07/2013- 12h03
Santidade e demais autoridades, senhoras e senhores – Bom dia!
Em nome de toda a comunidade da Varginha, queremos dar as boas vindas e afirmar que este dia é muito especial por estarmos recebendo, neste lugar tão simples, Vossa Santidade, nosso querido e amado Papa Francisco.
Este dia histórico marcará as nossas vidas para sempre. Hoje, não é só a comunidade que está acolhendo Vossa Santidade, mas temos a certeza que é Vossa Santidade que está nos acolhendo de coração aberto, como um pai.
Portanto, gostaríamos de pedir a vossa permissão para quebrarmos um pouco o protocolo, assim como Vossa Santidade faz em alguns momentos, e chamá-lo de Pai, Pai Francisco, aquele que acolhe a todos e, especialmente, os mais pobres.
É assim que ouvimos falar e agora constatar. A sua história de vida é marcada por este ir ao encontro dos marginalizados, dos desfavorecidos, dos esquecidos pela sociedade e pelo poder público. Obrigado por estar aqui!
Pai Francisco, muitos nos perguntaram porque esta comunidade foi escolhida para receber a sua visita, e esta é a pergunta que nós também nos fazemos. A final esta comunidade da Varginha tem uma história comum a maioria das comunidades do Rio de Janeiro, que também se sentem visitadas no dia de hoje.
Esta comunidade iniciou sua história no ano de 1940. Este lugar foi um lixão aterrado que fora ocupado, em sua grande maioria, por pessoas vindas de vários estados do Nordeste brasileiro – região mais pobre do País e do estado de Minas Gerais movidas pelo sonho de dias melhores.
Pessoas que juntamente com seus familiares e amigos, construíram suas casas com muito suor, dedicação, esforço, lágrimas, união e bênçãos de Deus, como nossos pais e avós. Estes nunca desistiram de seguir em frente, mesmo com todos os confrontos armados que muitos moradores já presenciaram e, por muitas vezes, com o descaso do poder público no momento das enchentes e outras situações que ainda nos impedem de viver com dignidade.
Tal descaso, nosso amado Pai, ficou para trás a partir do momento do anúncio da sua visita a nossa comunidade. Deparamo-nos, todos os dias, com pessoas que iam e vinham asfaltando e iluminando ruas, limpando as calçadas regularmente e as caçambas de lixo sendo melhores distribuídas. Tudo aquilo que não fazia parte do cotidiano dos moradores passou a acontecer e –esperamos– que possa continuar desta forma.
A sua visita, Pai Francisco, nos levou a mídia nacional e internacional. Nós não fazíamos parte das reportagens dos jornais, ou melhor, não das colunas sociais, mas sim, das colunas policiais e de tragédias, seja pelos confrontos armados que ocorriam ou pelas enchentes dos rios que ocorrem em dias de chuva muito forte. Tal problema de enchente até hoje nem sequer foi discutido com os moradores para encontrar uma solução.
Mas na vida, Deus sempre se faz presente e fortalece o seu povo com a esperança do novo amanhecer! Pela graça deste mesmo Deus, em 1971 fomos abençoados com uma capela, dedicada a São Jerônimo Emiliani que, mesmo sendo de uma família rica, dedicou sua vida a cuidar dos doentes, dos órfãos. O Papa Pio XI o proclamou “Patrono Universal dos órfãos e da juventude abandonada”.
Minha esposa e eu sempre fomos engajados em pastorais das paróquias que participamos. E ao longo de nossos oito anos de relacionamento, namoramos, noivamos, nos formamos na faculdade, nos casamos, sempre tendo Jesus Cristo como centro de nosso relacionamento em todos os momentos, sejam eles de dificuldades e/ou de alegria.
Agora unidos por Deus em uma só carne fazemos juntos parte da juventude desta comunidade, uma juventude que busca em Deus sua força, seu caminho, que nunca desiste de seus sonhos, que luta por uma vida melhor por meio dos estudos e do trabalho digno.
Talvez somente agora, Pai, é possível encontrar a resposta porque esta comunidade está recebendo a sua visita. Porque somos pequenos, pobres, esquecidos, e mesmo diante dos aplausos e holofotes, permanecemos fiéis a Deus, simples, humildes e unidos.
Esta comunidade, como todas as demais comunidades do Rio de Janeiro e, ousamos dizer, do mundo, hoje se sente visitada e recordada por aquele que é o “Doce Cristo na Terra”. Todas as periferias olham e se identificam com o ministério que o senhor, Pai Francisco, continua a exercer indo ao encontro daqueles que são “invisíveis” a sociedade.
Obrigado, pelo testemunho e amor!
Por fim, queremos agradecer a sua visita e que se possível não seja a única. Que o senhor leve em sua memória e em seu coração, esta comunidade tão pequena, tão simples e o amor que ela sente pelo senhor. E tenha a certeza que é o nosso atual e maior exemplo de cristão. Desejamos continuar aprendendo ainda mais a sermos humildes e servos de Deus, como o senhor é.



INTEGRA DO DISCURSO DO PAPA EM VARGINHA - 


Queridos irmãos e irmãs,
Que bom poder estar com vocês aqui! Desde o início, quando planejava a minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste País. Queria bater em cada porta, dizer “bom dia”, pedir um copo de água fresca, beber um "cafezinho", falar como a amigos de casa, ouvir o coração de cada um, dos pais, dos filhos, dos avós... 

Mas o Brasil é tão grande! Não é possível bater em todas as portas! Então escolhi vir aqui, visitar a Comunidade de vocês que hoje representa todos os bairros do Brasil. Como é bom ser bem acolhido, com amor, generosidade, alegria! 
Basta ver como vocês decoraram as ruas da Comunidade; isso é também um sinal do carinho que nasce do coração de vocês, do coração dos brasileiros, que está em festa! Muito obrigado a cada um de vocês pela linda acolhida! Agradeço a Dom Orani Tempesta e ao casal Rangler e Joana pelas suas belas palavras.
1. Desde o primeiro instante em que toquei as terras brasileiras e também aqui junto de vocês, me sinto acolhido. E é importante saber acolher; é algo mais bonito que qualquer enfeite ou decoração. Isso é assim porque quando somos generosos acolhendo uma pessoa e partilhamos algo com ela – um pouco de comida, um lugar na nossa casa, o nosso tempo - não ficamos mais pobres, mas enriquecemos. Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração! E povo brasileiro, sobretudo as pessoas mais simples, pode dar para o mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida ou silenciada, porque é incômoda. 
Queria lançar um apelo a todos os que possuem mais recursos, às autoridades públicas e a todas as pessoas de boa vontade comprometidas com a justiça social: Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário! Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que ainda existem no mundo! Cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar a sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais! Não é a cultura do egoísmo, do individualismo, que frequentemente regula a nossa sociedade, aquela que constrói e conduz a um mundo mais habitável, mas sim a cultura da solidariedade; ver no outro não um concorrente ou um número, mas um irmão. 
Quero encorajar os esforços que a sociedade brasileira tem feito para integrar todas as partes do seu corpo, incluindo as mais sofridas e necessitadas, através do combate à fome e à miséria. Nenhum esforço de “pacificação” será duradouro, não haverá harmonia e felicidade para uma sociedade que ignora, que deixa à margem, que abandona na periferia parte de si mesma. Uma sociedade assim simplesmente empobrece a si mesma; antes, perde algo de essencial para si mesma. Lembremo-nos sempre: somente quando se é capaz de compartilhar é que se enriquece de verdade; tudo aquilo que se compartilha se multiplica! 
A medida da grandeza de uma sociedade é dada pelo modo como esta trata os mais necessitados, quem não tem outra coisa senão a sua pobreza!
2. Queria dizer-lhes também que a Igreja, «advogada da justiça e defensora dos pobres diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas, que clamam ao céu» (Documento de Aparecida, 395), deseja oferecer a sua colaboração em todas as iniciativas que signifiquem um autêntico desenvolvimento do homem todo e de todo o homem. Queridos amigos, certamente é necessário dar o pão a quem tem fome; é um ato de justiça. Mas existe também uma fome mais profunda, a fome de uma felicidade que só Deus pode saciar. Não existe verdadeira promoção do bem-comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação, os seus bens imateriais: a vida, que é dom de Deus, um valor que deve ser sempre tutelado e promovido; a família, fundamento da convivência e remédio contra a desagregação social; a educação integral, que não se reduz a uma simples transmissão de informações com o fim de gerar lucro; a saúde, que deve buscar o bem-estar integral da pessoa, incluindo a dimensão espiritual, que é essencial para o equilíbrio humano e uma convivência saudável; a segurança, na convicção de que a violência só pode ser vencida a partir da mudança do coração humano.
3. Queria dizer uma última coisa. Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens.

Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar.
Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo. A Igreja está ao lado de vocês, trazendo-lhes o bem precioso da fé, de Jesus Cristo, que veio «para que todos tenham vida, e vida em abundância» (Jo 10,10). 
Hoje a todos vocês, especialmente aos moradores dessa Comunidade de Varginha, quero dizer: Vocês não estão sozinhos, a Igreja está com vocês, o Papa está com vocês. 
Levo a cada um no meu coração e faço minhas as intenções que vocês carregam no seu íntimo: os agradecimentos pelas alegrias, os pedidos de ajuda nas dificuldades, o desejo de consolação nos momentos de tristeza e sofrimento. 
Tudo isso confio à intercessão de Nossa Senhora Aparecida, Mãe de todos os pobres do Brasil, e com grande carinho lhes concedo a minha Bênção.

Nenhum comentário: