DEFENDA SEUS DIREITOS

Loading...

sábado, 25 de fevereiro de 2012

QUARESMA : TEMPO DE PREPARAÇÃO PARA A PASCOA , TEMPO DE CONVERSÃO, TEMPO DE SALVAÇÃO

Na quaresma nós somos chamados a mudar de vida ....



“Eu vim para que todos tenham vida, e vida em abundância” JESUS 

No decorrer de nossa vida muitas vezes buscamos caminhos onde Jesus não está. Assim vamos nos perdendo, nos cansando, nos machucando e nos frustrando por não encontrarmos Aquele que nos promete uma vida cheia de abundâncias.

Muitas vezes andamos pelos caminhos da superstição, do misticismo, do controle da mente e tantos outros. Buscamos falsas doutrinas, outros “deuses”, e nos esquecemos da Palavra de Deus que nos deixa bem claro que “ninguém vai ao Pai, senão por mim (Jesus)” (Jo 14,6). Que catástrofe é acharmos que podemos sozinhos, ou, pior, guiados por outras “forças” espirituais, decidir qual caminho trilhar na estrada de nossa vida. Quando agimos somente através da nossa própria consciência, muitas vezes enraizada em condutas mundanas, poderemos vir a conhecer caminhos de profunda tristeza, desilusão, mentira, e até mesmo entrarmos em depressão, pois o caminho certo passa pela vontade e bênção de Deus.

Quero hoje, meu(inha) irmão(a), te provocar o seguinte questionamento: a quem você tem recorrido para fazer as escolhas em sua vida?

Lembro-me de um fato ocorrido há alguns anos, quando me encontrava em uma situação desesperadora, e, naquele dia, coloquei-me diante de Jesus Eucarístico. No meu diálogo com Ele disse que precisava que me mostrasse uma saída, uma porta a qual eu pudesse recorrer e obter a solução para o meu problema. Eu já havia feito várias tentativas e todas deram errado. Todo o meu esforço foi em vão.

Junto a mim, naquele momento de oração, estava uma grande e orante amiga, que vendo a minha dor também clamava a Jesus pela solução. Oramos durante algumas horas e, antes de irmos embora, Jesus colocou no coração desta amiga que deveríamos ler a passagem bíblica de Jo 11,9, e que lá continha a solução para minha agonia. Tomamos então a Bíblia Sagrada e, obedientes, lemos a Palavra. Confesso que grande foi a nossa surpresa ao lermos o que a citação dizia. Veja você também: “Eu sou a porta, se alguém entrar por mim será salvo” (Jo 10,9).

Jesus respondeu claramente à minha súplica, pois eu pedia a Ele que me mostrasse uma saída, uma porta… e Ele deixou claro que a porta era, e é, Ele; que nenhuma solução humana que eu tentasse haveria de dar certo porque eu não estava orando, não estava contando com Ele, com Sua ajuda. Eu estava agindo segundo meus impulsos. Sendo assim, não estava gozando da vida em abundância que Ele prometera à toda humanidade. Jesus deixou claro para mim que aquela situação só se resolveria, como de fato se resolveu (graças a Deus), se eu O buscasse constantemente e que a solução acertada viria das mãos dEle. E a única coisa que eu precisava fazer era simplesmente voltar meu olhar para Ele e procurar ouví-lO para discernir quais atitudes tomar.

Nunca mais me esqueci de que nada que eu venha a pensar, achar ou planejar, se não passar pela porta que é Jesus, não terá Sua bênção, pois algo planejado sem a participação de nosso Senhor e Salvador certamente tende a sofrer grandes transtornos.

É por isso meu(inha) amado(a) irmão(ã) que muitos de nós, em várias situações de nossa vida, não gozamos da vida abundante que Jesus nos prometeu; porque queremos agir sozinhos e ainda exigimos que o Senhor nos abençoe. Não se iluda mais! Tudo precisa passar pela “Porta”: nossas dores, decisões a serem tomadas, dificuldades, carências, enfermidades… tudo! Tudo mesmo precisa ser apresentado para Jesus para que possamos gozar desta vida plena prometida por Ele.

Esta vida abundante, ao contrário do que muitos pensam, não se refere a abundância de bens materiais, mas sim a abundância, a plenitude da Sua graça em nossa vida que nos suprirá em todas as nossas necessidades.

Devemos buscar ser cristão de oração diária, cristão que conhece a Bíblia, cristão que freqüenta a Eucaristia, mas não somente na Missa de sétimo dia de algum ente falecido. Devemos parar de orar somente quando estamos precisando de algum “favorzinho” de Deus. 

Agir como cristão consciente é escolher sempre entrar pela Porta que é Jesus. É optar por conhecer diariamente a vontade de nosso único Senhor e Salvador, e, assim, sabermos nos apropriar da vida em abundância que Ele nos prometeu (e cumpre).

Ah! E não pense que Deus não fala com você! Deus sempre fala com os seus, seja através da Bíblia, pelos fatos, por algo que você escuta de um irmão ou por uma determinada situação que você esteja vivenciando. Ele está sempre se comunicando conosco. Fique atento(a) ao que Ele tem falado para você. Silencie… escute… preste atenção… Deus quer falar com você!

Deus abençoe a você e a todos os seus familiares, e lhes conceda uma vida plena e abundante.

  • 25.02.2012 - Sábado depois das Cinzas - Quaresma 


1ª Leitura - Is 58,9b-14
Se acolheres de coração aberto o indigente,
nascerá das trevas a tua luz.
Leitura do Livro do Profeta Isaías 58,9b-14
Assim fala o Senhor:
9bSe destruíres teus instrumentos de opressão,
e deixares os hábitos autoritários
e a linguagem maldosa;
10se acolheres de coração aberto o indigente
e prestares todo socorro ao necessitado,
nascerá nas trevas a tua luz
e tua vida obscura será como o meio-dia.
11O Senhor te conduzirá sempre
e saciará tua sede na aridez da vida,
e renovará o vigor do teu corpo;
serás como um jardim bem regado,
como uma fonte de águas que jamais secarão.
12Teu povo reconstruirá as ruínas antigas;
tu levantarás os fundamentos das gerações passadas:
serás chamado reconstrutor de ruínas,
restaurador de caminhos, nas terras a povoar.
13Se não puseres o pé fora de casa no sábado,
nem tratares de negócios em meu dia santo,
se considerares o sábado teu dia favorito,
o dia glorioso, consagrado ao Senhor,
se o honrares, pondo de lado atividades,
negócios e conversações,
14então te deleitarás no Senhor;
eu te farei transportar sobre as alturas da terra
e desfrutar a herança de Jacó, teu pai.
Falou a boca do Senhor.
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 85, 1-2. 3-4. 5-6 (R. 11a)
Ensinai-me os vossos caminhos
e na vossa verdade andarei.

1Inclinai, ó Senhor, vosso ouvido, *
escutai, pois sou pobre e infeliz!
2Protegei-me, que sou vosso amigo, +
e salvai vosso servo, meu Deus, *
que espera e confia em vós!
Ensinai-me os vossos caminhos
e na vossa verdade andarei.
3Piedade de mim, ó Senhor, *
porque clamo por vós todo o dia!
4Animai e alegrai vosso servo, *
pois a vós eu elevo a minh'alma.
Ensinai-me os vossos caminhos
e na vossa verdade andarei.
5Ó Senhor, vós sois bom e clemente, *
sois perdão para quem vos invoca.
6Escutai, ó Senhor, minha prece, *
o lamento da minha oração!
Ensinai-me os vossos caminhos
e na vossa verdade andarei.

Evangelho - Lc 5,27-32
Eu não vim chamar os justos,
mas os pecadores para a conversão.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 5,27-32
Naquele tempo:
27Jesus viu um cobrador de impostos, chamado Levi,
sentado na coletoria.
Jesus lhe disse: 'Segue-me.'
28Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu.
29Depois, Levi preparou em casa
um grande banquete para Jesus.
Estava aí grande número de cobradores de impostos
e outras pessoas sentadas à mesa com eles.
30Os fariseus e seus mestres da Lei murmuravam
e diziam aos discípulos de Jesus:
'Por que vós comeis e bebeis
com os cobradores de impostos e com os pecadores?'
31Jesus respondeu:
'Os que são sadios não precisam de médico,
mas sim os que estão doentes.
32Eu não vim chamar os justos,
mas sim os pecadores para a conversão.'
Palavra da Salvação.

Reflexão - Lc 5, 27-32


Nós queremos afastar os pecadores da Igreja e isso é o maior erro que podemos cometer. Jesus acolhia todos os pecadores e pecadoras e comia com eles, sendo que muitas vezes como, por exemplo, no evangelho de hoje, os chamava para ser seus seguidores, e até mesmo apóstolos. A nossa prática, no entanto, está na maioria das vezes fundamentada na discriminação das pessoas por causa de determinados tipos de pecado, e isso faz com que sejamos iguais aos fariseus do tempo de Jesus, que discriminavam os pecadores, os expulsavam do Templo e consideravam impuras todas as pessoas que se relacionavam com eles. Devemos acabar com o farisaísmo que muitas vezes marca a Igreja na discriminação dos pecadores e termos a atitude da acolhida que Jesus tinha.
________________________________

Momento favorável

E-mailImprimirPDF
Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo de Belo Horizonte (MG)
Momento favorável é uma indicação que o apóstolo Paulo faz dirigindo-se aos cristãos em Corinto. 
É uma referência ao dia da salvação, mas que deve ser incorporada às situações do dia a dia. 
Não se pode perder nunca a hora certa para coisas importantes na vida familiar, social e cultural. Aproveitá-la é caminho para o êxito. 
Contudo, não é tarefa fácil saber discernir o tempo propício para cada coisa da vida. Ainda mais desafiador é inserir-se na dinâmica e nas circunstâncias deste momento.
O momento favorável abordado pelo apóstolo Paulo, em referência ao dia da salvação, toca existencialmente todos. 
O dom da vida requer o discernimento sobre esse momento para seu tratamento adequado e sua qualificação. 
A liturgia da Igreja Católica, com o tempo da Quaresma, iniciado nesta Quarta-feira de Cinzas, até a Semana Santa, é uma sábia e indispensável indicação de um tempo especial para a vida de cada pessoa.
Neste tempo da Quaresma ecoa a profecia que convida insistentemente para um encontro com Deus, de todo o coração. 
É um processo de reconfiguração qualificada da própria vida que inclui as circunstâncias todas do tecido da sociedade. 
JESUS , EU CONFIO EM VÓS !
O ápice da qualificação de qualquer vida pessoal é a consistência da própria interioridade como fonte sustentadora da paixão pela verdade, o gosto pela solidariedade e a coragem de lutar pela justiça. 
É cultivar a honestidade na palavra dada, no respeito aos outros e, particularmente, na condução da coisa pública e do bem comum.
Pensar a salvação como momento favorável é reconhecer que ninguém pode furtar-se ao propósito existencial de reconciliação, com Deus e com o semelhante, superando inimizades. 
É aproximar-se do pobre, do indefeso e do inocente. 
Trata-se também de uma reconciliação consigo mesmo, um movimento reverso ao que leva à depressão, à vida vivida nos disparates da arbitrariedade e das tiranias do desejo. 
O convite central deste tempo da Quaresma, o voltar-se para Deus, se concretiza na indicação direta do imperativo “convertei-vos”
Cria a convicção indispensável de que não apenas os sistemas, os governos, os funcionamentos administrativos, os mecanismos da sociedade merecem uma revisão, mas também o si mesmo de cada um.
É o si mesmo de cada um a alma e o sustento de processos, de famílias, de instituições, de lideranças lúcidas e da indispensável capacidade cidadã de indignar-se com o mal. O tempo da Quaresma tem a finalidade educativa de motivar a correção do orgulho que perpetua insanidades, atrasa reconciliações e enjaula a possibilidade de se viver mais solidariamente. 
Quem percorre o caminho quaresmal escutando a Palavra de Deus, falando menos, contemplando mais, sensibilizando-se sob o impulso da caridade fraterna, alcança uma qualificação ancorada na força de valores. Fazem a diferença no que são, onde estão e no exercício de suas responsabilidades.
Oportuno, pode se concluir, o tema deste ano da Campanha da Fraternidade, uma tradição quase cinquentenária promovida pela Igreja Católica no Brasil: a Saúde Pública com o propósito e o compromisso, como reza o livro do Eclesiástico, de espalhar a saúde pela terra. 
O propósito desta Campanha da Fraternidade 2012 é, de verdade, a corajosa abordagem, visando melhorias, no sistema público de saúde.
Os cortes orçamentários feitos em âmbito governamental e o inevitável comprometimento de programas e projetos merecem a mobilização sistemática da sociedade, que tem o direito de discutir esse assunto de interesse coletivo. 
É preciso amadurecer e encontrar caminhos para a qualificação do sistema público de saúde. Legislação lúcida e garantia do tratamento adequado aos enfermos são conquistas fundamentais. 
Além disso, deve ser permanentemente buscado o necessário processo educativo de cada cidadão, estimulando-o a viver de forma saudável. 


Este tempo da Quaresma, de forma especial, ajuda também a entender a saúde como tarefa espiritual. É, por isso mesmo, momento favorável, um verdadeiro antídoto para a crise existencial contemporânea.
fonte : CNBB.org.br 

AGORA É o TEMPO FAVORÁVEL , TEMPO DA SALVAÇÃO

24

fev/2012

como-ler-a-biblia
Neste tempo especial de graças que  é a Quaresma devemos aproveitar ao máximo para fazermos uma renovação espiritual em nossa vida. O Apóstolo São Paulo insistia: “Em nome de Cristo vos rogamos: reconciliai-vos com Deus!” (2 Cor 5, 20);  “exortamo-vos a que não recebais a graça de Deus em vão. Pois ele diz: Eu te ouvi no tempo favorável e te ajudei no dia da salvação (Is 49,8). Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação.” (2 Cor 6, 1-2).
Cristo jejuou e rezou durante quarenta dias (um longo tempo) antes de enfrentar as tentações do demônio no deserto e nos ensinou a vencê-lo pela oração e pelo jejum. Da mesma forma a Igreja quer ensinar-nos como vencer as tentações de hoje. Daí surgiu a Quaresma.
Na Quarta-Feira de Cinzas, quando ela começa, os sacerdotes colocam um pouquinho de cinzas sobre a cabeça dos fiéis na Missa. O sentido deste gesto é de lembrar que um dia a vida termina neste mundo, “voltamos ao pó” que as cinzas lembram. Por causa do pecado, Deus disse a Adão: “És pó, e ao pó tu hás de tornar”. (Gênesis 2, 19)
Este sacramental da Igreja lembra-nos que estamos de passagem por este mundo, e que a vida de verdade, sem fim, começa depois da morte; e que, portanto, devemos viver em função disso. As cinzas humildemente nos lembram que após a morte prestaremos  contas de todos os nossos atos, e de todas as graças que recebemos de Deus nesta vida, a começar da própria vida, do tempo, da saúde, dos bens, etc.
Esses quarenta dias, devem ser um tempo forte de meditação, oração, jejum, esmola (‘remédios contra o pecado’). É tempo para se meditar profundamente a Bíblia, especialmente os Evangelhos, a vida dos Santos, viver um pouco de mortificação (cortar um doce, deixar a bebida, cigarro, passeios, churrascos,  a TV, alguma diversão, etc.) com a intenção de fortalecer o espírito para que possa vencer as fraquezas da carne.
Na Oração da Missa de Cinzas a Igreja reza: “Concedei-nos ó Deus todo poderoso, iniciar com este dia de jejum o tempo da Quaresma para que a penitência nos fortaleça contra o espírito do Mal”.
Sabemos como devemos viver, mas não temos força espiritual para isso. A mortificação fortalece o espírito. Não é a valorização do sacrifício por ele mesmo, e de maneira masoquista, mas pelo fruto de conversão e fortalecimento espiritual que ele traz; é um meio, não um fim.
Quaresma é um tempo de “rever a vida” e abandonar o pecado (orgulho, vaidade, arrogância, prepotência, ganância, pornografia, sexismo, gula, ira, inveja, preguiça, mentira, etc.). Enfim, viver o que Jesus recomendou: “Vigiai e orai, porque o espírito é forte mas a carne é fraca”.
Embora este seja um tempo de oração e penitência mais profundas, não deve ser um tempo de tristeza, ao contrário, pois a alma fica mais leve e feliz. O prazer é satisfação do corpo, mas a alegria é a satisfação da alma.
Santo Agostinho dizia que “o pecador não suporta nem a si mesmo”, e que “os teus pecados são a tua tristeza; deixa que a santidade seja a tua alegria”. A verdadeira alegria brota no bojo da virtude, da graça; então, a Quaresma nos traz um tempo de paz, alegria e felicidade, porque chegamos mais perto de Deus.
Para isso podemos fazer uma confissão bem feita; o meio mais eficaz para se livrar do pecado. Jesus instituiu a confissão em sua primeira aparição aos discípulos, no mesmo domingo da Ressurreição (Jo 20,22) dizendo-lhes: “a quem vocês perdoarem os pecados, os pecados estarão perdoados”. Não há graça maior do que ser perdoado por Deus, estar livre das misérias da alma e estar em paz com a consciência.
Jesus quis que nos confessemos com o sacerdote da Igreja, seu ministro, porque ele também é fraco e humano, e pode nos compreender, orientar e perdoar pela autoridade de Deus. Especialmente aqueles que há muito não se confessam, têm na Quaresma uma graça especial de Deus para se aproximar do confessor e entregar  a Cristo nele representado, as suas misérias.
Uma prática muito salutar que a Igreja nos recomenda  durante a Quaresma, uma vez por semana, é fazer o exercício da Via Sacra, na igreja, recordando e meditando a Paixão de Cristo e todo o seu sofrimento para nos salvar. Isto aumenta em nós o amor a Jesus e aos outros.
Não podemos esquecer também que a Santa Missa é a prática de piedade mais importante da fé católica, e que dela devemos participar, se possível, todos os dias da Quaresma. Na Missa estamos diante do Calvário, o mesmo e único Calvário. Sim, não é a repetição do Calvário, nem apenas a sua “lembrança”, mas a sua “presentificação”; é a atualização do Sacrifício único de Jesus. A Igreja nos lembra que todas as vezes que participamos bem da Missa, “torna-se presente a nossa redenção”.
Assim podemos viver bem a Quaresma e participar bem da Páscoa do Senhor, enriquecendo a nossa alma com as suas graças extraordinárias; podendo ser melhor e viver melhor.
Por: Felipe Aquino
Prof. Felipe Aquino, casado, 5 filhos, doutor em Física pela UNESP.
É membro do Conselho Diretor da Fundação João Paulo II. Participa de aprofundamentos no país e no exterior, escreveu mais de 60 livros e apresenta dois programas semanais na TV Canção Nova: “Escola da Fé” e “Trocando Idéias”.

Nenhum comentário: